logo

17/12/2018 08:48

Vereador que mandou matar Marielle é aliado de Bolsonaro e autor de projeto que autorizou igreja de Michelle Bolsonaro a ter 5 andares

0 0 0 0

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro aprovou no início deste mês uma lei autorizando um templo de cinco andares da Igreja Batista Atitude, na Barra da Tijuca.



A construção precisava passar pela aprovação dos vereadores.

O local é frequentado por Michelle Bolsonaro e o marido Jair. Ela ganhou uma festa de despedida da turma.

Foi presenteada com um mural em que aparece ao lado de Eva Perón, Margaret Thatcher, a Princesa Diana e a xará Michelle Obama.




Na proposta, o argumento é de que a igreja reúne “em torno de 8.000 pessoas em seus cultos, e além dos cursos de formação religiosa, fornece outros serviços à comunidade na área educacional, médica e assistencial, tais como cursos de línguas, pré-vestibular, cursos profissionalizantes, terapias para casais, atendimento jurídico, psiquiátrico, médico, psicológico e nutricional, programa de recuperação de dependentes químicos, esportes para jovens e para a terceira idade, balcão de empregos, entre outros”.

Os autores do projeto são Inaldo Silva (PRB), Felipe Michel (PSDB) e Marcello Siciliano (PHS).

Siciliano é investigado pela suspeita de ser mandante do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes.

Na manhã de sexta, dia 14, a Polícia Civil do Rio e o Ministério Público cumpriram mandado de busca e apreensão em sua casa, que também fica na Barra.

A operação tinha relação com a execução de Marielle e de Anderson.

Durante a apuração do caso, uma testemunha falou que Siciliano planejou o extermínio de Marielle juntamente com o ex-policial militar Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica.

Em abril, Siciliano prestou depoimento na Divisão de Homicídios na condição de testemunha.

Dois dias depois, um colaborador dele, Carlos Alexandre Pereira, foi morto a tiros na Taquara, Zona Oeste da cidade, tradicional reduto de milícias.

Fabrício Queiroz, também ex-PM e ex-assessor de Flávio Bolsonaro citado pelo Coaf pela movimentação suspeita de R$ 1,2 milhão, mora no mesmo bairro.

Em maio, uma ligação interceptada pela Polícia Civil mostrava Siciliano pedindo a ajuda de um miliciano para inaugurar um “projeto social” numa região controlada por essas organizações.

Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.

Clique aqui para entrar em nosso grupo de Telegram

ASSISTA: Thiago dos Reis mostra que corrupção de Bolsonaro pode ser maior do que se imagina:


O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


65154 visitas - Fonte: diário do centro do mu

Últimas notícias

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians