logo

15/3/2019 16:15

Embaixadora do Brasil escolhida por Bolsonaro agride Jean Wyllys na ONU e passa vergonha internacional sem precedentes na história do país

0 0 0 0

Não contente com o exílio de Jean Wyllys, o governo Bolsonaro agora abre uma temporada de agressão internacional ao ex-deputado e ativista. Em reunião na sede da Organização das Nações Unidas (ONU) em Genebra, nesta sexta-feira (15), a embaixadora do Brasil, Maria Nazareth Farani Azevedo, agrediu Jean Wyllys e recusou-se a ouvi-lo, para espanto dos diplomatas presentes a um debate sobre “o populismo no mundo”. Depois de sua apresentação, Wyllys foi aplaudido de pé.



O ex-deputado federal, que deixou o Brasil após receber inúmeras ameaças de morte, foi convidado a falar em um debate sobre o populismo no mundo.



O jornalista Jamil Chade acompanhava a reunião e reproduziu em sua coluna no UOL o ocorrido.

"Os novos autoritarismos são os velhos autoritarismos agora articulados com as características próprias da contemporaneidade", disse Wyllys, em seu discurso. "Novos autoritarismos, como o do Brasil, continuam elegendo inimigos internos da nação por meio da difamação e constituindo grupos para culpá-los pelos problemas econômicos", afirmou.

Ao explicar a vitória de Bolsonaro, conta o jornalista, ele apontou como "a campanha havia sido baseada na disseminação de fake news e no discurso de ódio".

Maria Nazareth Farani Azevedo, a embaixadora do Brasil na ONU, não estava na sala no momento do discurso e, em toda a semana, não apareceu em nenhum dos eventos organizados por ONGs para tratar da situação no Brasil. Mas, nesta sexta-feira, ela entrou no local, depois de o evento já ter sido iniciado.

O jornalista Jamil Chade ainda relata que ela pediu a palavra e começou a proferir ataque a Wyllys. "Ele não cuspiu na cara da democracia", disse a embaixadora, numa referência aos incidentes no dia do impeachment de Dilma Rousseff e sem mencionar que Bolsonaro teria elogiado um torturador. "Ele escolheu os votos, a eleição e o diálogo", declarou.

Ela ainda acusou Wyllys de "abandonar" seus eleitores. "Não tem credencial para falar sobre democracia. Vergonha daqueles que escolheram o palco da ONU para disseminar fake news", atacou.

Mas um dos membros estrangeiros do debate, Jamil Daka, alertou: "a senhora não quer ouvir a resposta dele?"

A embaixadora rebateu: "só se eu tiver direito de responder de novo".

"Não é assim", contra-atacou o participante.

"Não? Então vou [sair]", completou a embaixadora.

Neste momento, Jean Wylly tomou o microfone.

"Se a senhora quisesse um debate, ouviria minha resposta. Minha presença amedronta a senhora e seu governo", atacou, lembrando justamente do noticiário que aponta para, segundo ele, "ligações" entre a família Bolsonaro, organizações criminosas e mesmo o assassinato de Marielle Franco (PSOL).

Ela então, antes de deixar a sala, respondeu. "Não amedronta. Envergonha".

Na sequência, Wyllys terminou seu discurso e foi aplaudido por todos na sala. Algumas pessoas chegaram a aplaudi-lo de pé.

Jamil Chade encerra seu relato lamentando o fato: "Em 20 anos cobrindo a ONU, jamais vi o Brasil protagonizar uma cena tão triste como a que a embaixadora do governo Bolsonaro promoveu hoje. O Itamaraty, contaminado por um vírus extremamente perigoso: o da intolerância", declarou.



Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.

Clique aqui para entrar em nosso grupo de Telegram

VÍDEO: Ligação de Bolsonaro com milícias e o assassinato de Marielle



Se você quer ajudar na luta contra Bolsonaro e a direita fascista, inscreva-se no canal do Plantão Brasil no YouTube.



O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


44274 visitas - Fonte: Brasil247

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians