logo

11/7/2019 05:29

Bolsonaro reduziu impostos de ruralistas em R$ 83 bilhões para aprovar reforma

0 0 0 0

Representantes do agronegócio exportador conseguiram, na madrugada da sexta-feira (05), derrubar o artigo, mantido no relatório pelo deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), que restabelecia a cobrança de contribuição previdenciária das exportações do agronegócio.



Atualmente, a exportação da produção rural é isenta de contribuições. Com a derrubada da cobrança, a Previdência Social deixará de arrecadar R$ 83 bilhões nos próximos dez anos.

Isso ocorre no exato momento em que o governo diz que pretende retirar da Previdência R$ 1 trilhão, sacados dos recursos pertencentes aos mais pobres, para fazer caixa para o pagamento de juros aos bancos.



Para o deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), a base do governo se contradiz ao defender um ajuste fiscal e, ao mesmo tempo, apoiar uma medida que é um verdadeiro privilégio e que reduz a arrecadação da Previdência.

“É uma tentativa de perdão fiscal para os de cima depois de impor tanto sofrimento para os de baixo”, afirmou, líder da oposição na Câmara Federal.

O relator, deputado Samuel Moreira afirmou não ser “o melhor momento para desonerações”. “Não acredito em desonerações, principalmente naquelas que retiram da Previdência em um país quebrado”, observou o parlamentar.

O placar foi apertado, a derrubada da cobrança foi aprovada por 23 votos a 19. A oposição votou com o relator nesta matéria por achar um absurdo que Guedes queira tirar R$ 1 trilhão dos pobres em dez anos enquanto o agronegócio arranca uma isenção de R$ 83 bilhões no mesmo período.

O governo Bolsonaro mostrou mais uma vez sua benevolência com os latifundiários. O secretário especial da Previdência e trabalho, Rogério Marinho disse que gostou do texto aprovado.

“O texto que foi apresentado é o que nós gostaríamos que fosse aprovado, mas entendemos que dentro de um processo de discussão no legislativo haveria, naturalmente, a supressão de temas, o acréscimo de outros, o aperfeiçoamento do projeto como todo. É o que estamos vendo aqui”, disse ele.

Como se não bastasse esse grande privilégio mantido para o setor do agronegócio, o destaque aprovado também suprimiu a limitação em no máximo 60 vezes para o parcelamento de dívidas de contribuições do setor com a Previdência Social.

Ficou mantida, portanto, a possibilidade de qualquer parcelamento de dívidas fora da folha de pagamento, entre as quais as do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural).

Opinião THIAGO DOS REIS: O governo corrupto literalmente tira dos mais pobres e dá aos ruralistas. Diz que vai economizar 1 trilhão (mas não mostra a conta) mas desse dinheiro já gastou mais de 100 bilhões comprando votos. 83 bilhões para ruralistas apenas nessa leva,
mais as dívidas perdoadas, as isenções prometidas a igrejas evangélicas, etc.


Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.



Clique aqui para entrar em nosso grupo de Telegram

VÍDEO: Facções criminosas e milícias comemoram decisão de Toffoli sobre Flávio Bolsonaro:



Se você quer ajudar na luta contra Bolsonaro e a direita fascista, inscreva-se no canal do Plantão Brasil no YouTube.



O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


3522 visitas - Fonte: horadopovo

Últimas notícias

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians