logo

27/11/2016 14:13

Temer diz que gravar presidente é crime mas ele riu quando Dilma e Lula foram gravados

Horas antes do Fantástico exibir a entrevista em que Marcelo Calero dá detalhes de como foi pressionado pelo presidente da República a interferir na liberação da obra que beneficia o ex-ministro Geddel Vieira Lima, Michel Temer que atacou o ex-auxiliar.

Em entrevista coletiva nesta tarde, ao lado dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB), Michel Temer classificou como "gravíssimo" e "indigno" um ministro gravar uma conversa com o presidente da República. "Espero que essas gravações venham a público", disse o presidente, que afirmou que é muito cuidadoso com o que fala e que a atitude de Calero foi de uma "indignidade absoluta".

Temer disse que cogita fazer gravações oficiais das audiências na Presidência da República. "Estou pensando em pedir ao Gabinete de Segurança Institucional que grave – aí publicamente –, que grave todas as audiências do presidente da República", declarou.

Sobre o substituto de Geddel, o presidente afirmou que está "examinando com muito cuidado" o perfil do novo ocupante da Secretaria de Governo, e que, agora, é preciso alguém com "lisura absoluta" e com facilidade para conversar com os integrantes do Congresso.

O presidente disse que "não estava patrocinando nenhum interesse privado" ao "arbitrar" a divergência entre Marcelo Calero e Geddel Vieira Lima e ter sugerido ao então ministro da Cultura encaminhar o caso para a Advocacia Geral da União (AGU). "Você verifica que eu estava administrando conflitos de natureza pública. Quando ele [Calero] falou que não queria despachar, falei para mandar para a AGU", disse.

MAIS
» Médico lista 5 feitos históricos dos governos Lula e Dilma pela saúde
» Aécio é delatado novamente e é o primeiro a ser comido pela Odebrecht

521127 visitas - Fonte: Brasil247

Últimas notícias

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians