logo

9/12/2016 11:52

Temer: de “inútil útil”, a “útil inútil” e, enfim, ‘inútil inútil”

A carreira política de Michel Temer se fez na obscuridade dos acordos políticos, dos negócios de (e com o ) Estado, das articulações internas do PMDB e do que tudo o que isso quer dizer.

Foi isso, e nada mais, o que o levou aos cargos, ao mandatos e, finalmente, à necessidade de colocá-lo como candidato a vice de Dilma, duas vezes: porque ele era considerado uma “inutilidade útil”, capaz de manter o PMDB “quieto” com umas migalhas – algumas delas pessoais, como Moreira Franco e Eliseu Padilha.

O resto se resolvia com a vaidade e a pompa oca de quem sempre as apreciou muito.

Eduardo Cunha, a insurreição tucana contra o resultado eleitoral e o rolo compressor da mídia é que mudaram a sua natureza e o estimularam a ser, agora, um “útil inútil” presidente da República.

Tudo o que se festeja da suposta “habilidade” política de Michel Temer – o homem que ia “unir o Brasil – resiste ao desligamento do trator midiático, que é o que empurra a PEC dos Cortes e a Reforma da Previdência.

O episódio da indicação do tucano Antonio Imbassahy para o lugar de Geddel Vieira Lima como ministro da Secretaria de Governo, cuja função é justamente articular e obter apoio entre os deputados e ver sua escolha barrada justamente pela reação negativa de sua mais numerosa bancada de apoio, o “centrão” é a maior prova de que, sem seus asseclas palacianos – um abatido literalmente e outro abatido pelas denúncias – , Temer não sabe se mover no Congresso.

No Congresso, porque transformou Renan Calheiros – que a uma semana do recesso e do fim prático de seu mandato – de “pato manco”, aquele que não ganha nem mesmo cafezinho mais em “dono da barraquinha” da Câmara Alta da República.

Na Reforma da Previdência, de novo, errou na mão e conseguiu perder apoio até entre os mais incondicionais defensores do arrocho. Regras de transição abiloladamente abruptas, garfadas nas pensões e nos benefícios a pessoas com deficiência conseguiram, mesmo com o discurso monocórdio endossado pela mídia de que “a previdência vai quebrar”, despertar insatisfação por toda a parte.

Tanto que, nos jornais de hoje, já se admite uma “revisão” das regras. Um, aliás, já foi feita naquele esquema do “troca a versão”, excluindo policiais militares e bombeiros da regras ditas “gerais”.

Pode rever, mas não vai se livrar do desgaste que vai corroe-lo até a negociação “para valer”, que começa em fevereiro, com o fim do recesso parlamentar. Como disse o Vinícius de Moares, “se foi pra desfazer, porque é que fez”.

Fez porque precisa “mostrar serviço” ao capital financeiro, que não quer “sangue ralo” no sangue econômico que sua a este país.

Temer, que foi um “inútil útil” e passou a ser um “útil inútil” faz força para continuar a ser considerado um “inútil inútil”.

MAIS
» Médico lista 5 feitos históricos dos governos Lula e Dilma pela saúde
» Aécio é delatado novamente e é o primeiro a ser comido pela Odebrecht

1437 visitas - Fonte: tijolaco

Últimas notícias

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians