logo

18/12/2018 16:32

Deputados aliados de Bolsonaro protagonizam baixaria e briga na diplomação de eleitos em SP

0 0 0 0

Em clima de torcida organizada e hostilidade, a cerimônia de diplomação dos políticos eleitos por São Paulo, nesta terça-feira (18), foi marcada por provocações entre grupos ligados ao ex-presidente Lula (PT) e ao presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), com ápice da tensão na invasão e retirada de integrantes da Bancada Ativista -- coletivo de nove deputados eleitos pelo PSOL -- do palco.



A confusão teve início quando integrantes da bancada subiram ao palco para acompanhar a diplomação da deputada eleita Mônica Seixas, que representou o grupo nas urnas.

O clima hostil, no entanto, havia começado minutos antes, com a diplomação de deputados do PT.



Ao ser anunciado, o deputado eleito Teonilho Barba foi aplaudido e vaiado ao fazer o "L" de Lula com a mão. Reeleito, o deputado estadual Enio Tatto fez o "L" e gritou "Lula Livre". Da plateia, além de aplausos, se ouviam gritos de "Bolsonaro 171" e "Bolsonaro, quero meu cheque", mesclados a gritos de "Mito" e "Chupa, Lula", em resposta aos petistas. Até vuvuzelas estavam entre os convidados na plateia.



Durante a confusão, os corredores da Sala São Paulo foram tomados por seguranças correndo que tentavam chegar ao palco e monitorar a entrada do auditório. Cerca de 10 técnicos do sistema de som estavam agrupados, esperando a situação se normalizar, ao lado da porta lateral esquerda que leva ao palco. Eles se perguntavam e questionavam jornalistas sobre o que tinha acontecido.

Após a entrada de policiais militares no palco e cerca de dez minutos de confusão, o clima amenizou para que a cerimônia fosse retomada com a diplomação dos deputados federais eleitos. Ao subir ao palco, o deputado federal reeleito Eduardo Bolsonaro (PSL) foi saudado aos gritos de "Mito" e "Ustra" - referência ao coronel Brilhante Ustra, ídolo de Bolsonaro, apontado pela Comissão Nacional da Verdade como um dos chefes da tortura no Doi-Codi, durante a ditadura militar (1964-1985).

O clima voltaria a esquentar na diplomação dos deputados federais eleitos pelo PT, que repetiram o gesto de "L" com os dedos. Gritos de "Lula livre" e "Lula ladrão" duelaram na plateia.

A vereadora carioca Marielle Franco (PSOL), assassinada em março no Rio junto do motorista Anderson Gomes, também foi lembrada na solenidade. Eleita deputada federal pelo PSOL, a vereadora Sâmia Bonfim ergueu uma placa com a mensagem "Justiça para Marielle e Anderson". Ao lado dos deputados reeleitos de seu partido Luiza Erundina e Ivan Valente, foram aplaudidos aos gritos de "Marielle presente".



Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.

Clique aqui para entrar em nosso grupo de Telegram

ASSISTA: Thiago dos Reis mostra que corrupção de Bolsonaro pode ser maior do que se imagina:


O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


7752 visitas - Fonte: Uol

Últimas notícias

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians