logo

10/6/2019 13:42

A quem (mais) interessa o vazamento?

0 0 0 0

Uma pergunta clássica que antecede as grandes investigações e reportagens é: a quem interessa?



O objetivo aparente da divulgação do vazamento pela Intercept do Brasil é implodir a Lava Jato. O epicentro óbvio é Curitiba, e, por extensão, o TRF-4, em Porto Alegre. O alvo primeiro das interceptações, o ex-juiz Sergio Moro e a força-tarefa do Paraná.

O vazamento, contudo, deve mirar o poder central, em Brasília.

Várias dúvidas deverão ser esclarecidas numa investigação que avance em relação às suspeitas, levantadas semanas atrás, de que procuradores e magistrados tinham seus celulares hackeados:



A divulgação resulta de fogo amigo, ou seja, uma tentativa de evitar a indicação de Moro para o STF?

Ou cortar, desde já, eventuais pretensões de o ex-juiz chegar à presidência da República?

Alguns desdobramentos são esperados.

As redes sociais deverão reforçar a tese de que Lula é vítima de uma perseguição política. Haverá pressões pela soltura do ex-presidente (por exemplo, a Associação Juízes para a Democracia já emitiu nota nesse sentido).

Como observa Celso Rocha de Barros em sua coluna na Folha, nesta segunda-feira (10), “não há nada nos vazamentos que prove que Lula é inocente, mas há sinais fortes de que seu julgamento não foi normal”.

Em nota, Moro nega qualquer “anormalidade ou direcionamento”.

Alguns magistrados tinham restrições a práticas adotadas por Moro e avaliavam com reserva (nos dois sentidos) as escusas dirigidas a Teori Zavascki, quando o ministro do STF advertiu o juiz da Lava Jato.

A divulgação das interceptações também deve afetar a sucessão de Raquel Dodge na Procuradoria-Geral da República.

O site da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), que promove a votação para a lista tríplice da categoria, mantém um link que remete para artigo do procurador da República Vladimir Aras, o candidato mais identificado com o juiz Sergio Moro, com quem atuou desde o caso Banestado.

Em julho de 2018, em artigo que tratava de fake news, Aras faz um comentário que aparentemente vale para os fatos atuais:

“Conhecer a autoria é importante. Porém, mais importante, no que concerne às fake news, é considerar o conteúdo divulgado, porque somente o exame da mensagem, da postagem ou do discurso é capaz de revelar as informações falsas, o discurso de ódio ou a incitação à violência, ou a existência de uma atuação concertada”.

Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.

Clique aqui para entrar em nosso grupo de Facebook

Clique aqui para entrar em nosso grupo de Telegram

VÍDEO: Moro segue mentindo e se recusa a entregar celular para perícia:



Se você quer ajudar na luta contra Bolsonaro e a direita fascista, inscreva-se no canal do Plantão Brasil no YouTube.



O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


1851 visitas - Fonte: blog da cidadania

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians