logo

30/11/2020 09:46

Eleições: Abstenção em São Paulo no 2o. turno foi a maior desde 1988

0 0 0 0

2640 visitas - Fonte: O Estadão

A cidade de São Paulo registrou na eleição municipal deste ano o maior índice de abstenção num segundo turno desde a redemocratização. Mais de 2,7 milhões de eleitores (30,8%) não foram às urnas neste domingo. O número supera a votação de Guilherme Boulos (PSOL), que recebeu pouco mais de 2,1 milhões de votos. Reeleito, Bruno Covas (PSDB) recebeu mais de 3,1 milhões de votos. Votos nulos e brancos somaram mais de 879 mil.



O índice quebra mais um recorde de não comparecimento às urnas na capital. Em 2012, na última disputa municipal em que houve segundo turno, a abstenção registrada foi de 19,99%. Os adversários eram Fernando Haddad (PT), que foi eleito, e José Serra (PSDB). Em 2008, quando Gilberto Kassab (PSD) derrotou Marta Suplicy (então no PT) e em 2004, quando a petista foi derrotada por José Serra (PSDB), os índice foram próximos: 17,54% e 17,55%, respectivamente.

Em 2000, na vitória de Marta sobre Paulo Maluf (então no PPB), a abstenção foi de 15,16%, um número menor que o registrado quatro anos antes, quando Celso Pitta (candidato do PPB) derrotou Luiza Erundina (então no PT), numa disputa com 18,11% de não comparecimento. Na primeira disputa municipal com dois turnos depois da Constituinte, foram 12% de abstenções na disputa em que Paulo Maluf (então no PDS) derrotou o petista Eduardo Suplicy.



São Paulo está entre as dezessete capitais que superaram a média nacinoal de 23,14% de abstenção registrada no primeiro turno. 29,29% dos eleitores da capital não foram às urnas.

Para o cientista político Rodrigo Prando, da Universidade Mackenzie, a pandemia do coronavírus é o fator que mais ajuda a explicar o índice, mas não é único. O aumento da abstenção ao longo dos anos indica a tendência de crise na democracia representativa. "A gente imaginava que teríamos uma abstenção muito grande pela pandemia. Ainda assim, é surpreendente. Mas é algo que não é de agora. É uma crise na democracia representativa, algo que paira no mundo todo."



Ele defende que para reverter o quadro é preciso aproximar a classe política da sociedade fora do período eleitoral. "Há desconexão entre o mandato do político eleito e a dimensão da vida social. A classe política precisa se aproximar da sociedade e o cidadão precisa estar vivenciando a política. A eleição é só parte do processo político."

No Rio, o número de abstenções foi maior até que a quantidade de votos recebida pelo vencedor Eduardo Paes (DEM). Mais de 1,7 milhão de eleitores não foram às urnas. Paes recebeu 1,6 milhão de votos. Derrotado, Marcelo Crivella (Republicanos) teve 913 mil votos.



O mesmo aconteceu em Goiânia, onde o eleito Maguito Vilela (MDB) teve 277 mil votos, cerca de 27 mil a mais que o adversário Vanderlan Cardoso (PSD), números bem abaixo dos quase 357 mil registros de abstenção na capital do Estado.

Em Porto Alegre, as 354 mil abstenções superaram a votação de Manuela D´Ávila (PCdoB), que recebeu mais de 307 mil votos. Eleito, Sebastião Melo (MDB), recebeu 370 mil votos. Em Maceió (AL), 164 mil eleitores deixaram de votar, número que supera a votação de Alfredo Gaspar (MDB), que teve 156 mil votos e foi derrotado por JHC (PSB), eleito com 222 mil votos.

Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.



APOIE O PLANTÃO BRASIL - Clique aqui!

VÍDEO: STF DECIDIU! LULA TERÁ ACESSO A ARQUIVOS SECRETOS DA VAZA JATO!!!



Se você quer ajudar na luta contra Bolsonaro e a direita fascista, inscreva-se no canal do Plantão Brasil no YouTube.



O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians