logo

12/1/2019 06:18

Maior agência de notícias do mundo, a Reuters, diz que política externa de Bolsonaro vai quebrar o Brasil

0 0 0 0

BRASÍLIA (Por Lisandra Paraguasu, Reuters) - Dez dias depois da posse de Jair Bolsonaro, a política externa do novo governo ainda é um mistério, mas com sinais preocupantes de que as mudanças que devem vir por aí podem mais atrapalhar do que ajudar as relações internacionais do Brasil, especialmente na área econômica.



Especialistas ouvidos pela Reuters são unânimes em afirmar que, por enquanto, é difícil dizer a que veio o novo chanceler, Ernesto Araújo.

Seu discurso de posse —um momento em que o chefe das Relações Exteriores costuma dar as diretrizes de como pretende trabalhar a política externa— apenas serviu para confirmar as ideias que Araújo havia demonstrado em seu blog nos últimos meses, do antiglobalismo à defesa da religião, em sinais avessos à tradicional diplomacia brasileira.



"Nos últimos 30, 40 anos havia uma outra visão de mundo, há na região uma nova geopolítica e, além disso, a ascensão de Ernesto Araújo quebrou a hierarquia tradicional do Itamaraty. Dentro desse quadro fica muito difícil falar sobre o futuro da política externa porque ainda não estão indicadas as diretrizes e as prioridades do Itamaraty", analisa do embaixador Rubens Barbosa, ex-embaixador do Brasil em Washington.

Os sinais dados até agora caminham para uma ruptura com políticas tradicionais da diplomacia brasileira, como a clara opção pela não-ingerência, o apego ao diálogo e ao multilateralismo e o não-alinhamento.

Barbosa cita o desconvite à Venezuela e Cuba para participaram da pose de Bolsonaro e a decisão do Brasil de deixar o pacto migratório como dois sinais preocupantes.

"Isso não atendeu às melhores tradições do Brasil e nem resultou em nada favorável ao Brasil", avaliou. "A retirada do pacto migratório também não altera nada, porque esse pacto não criava regras para os países. Foi um gesto que causou apreensão no exterior sem nenhum ganho para o Brasil."

O discurso de posse de Araújo foi recheado de críticas ao próprio Itamaraty e à postura da diplomacia brasileira.

"Acho que nossa política externa vem se atrofiando por medo de ser criticada. Não tenham medo de ser criticados", disse o novo chanceler, em uma fala recebida com frieza pelos diplomatas presentes. "Queríamos ser um bom aluno na escola do globalismo e achávamos que isso era tudo. O Brasil volta a dizer o que sente e sentir o que é."

Para um embaixador recém-aposentado, que chegou aos mais altos níveis da carreira, o discurso não atendeu aos interesses do Brasil.

"O que eu vejo é uma política externa coerente com a inclinação ideológica do presidente e de seu chanceler, mas não coerente com as necessidades que o Brasil tem em matéria de externalização da sua política econômica", disse o embaixador, que pediu para não ser identificado.

"O Brasil sempre atraiu investimentos até pelas características não ideológicas da sua política", acrescentou.

A maior preocupação de diplomatas e analistas ouvidos pela Reuters é o reflexo econômico que a política de Araújo e Bolsonaro podem ter. Até agora, as declarações mais fortes feitas pelo chanceler e o presidente rompem com regras diplomáticas tradicionais.

Já durante a campanha, Bolsonaro falou da mudança da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, em um movimento copiado dos Estados Unidos e que atinge diretamente a liga dos países árabes, grandes importadores de proteína animal do Brasil.

Em seguida, ambos mostraram admiração e alinhamento quase completo com os Estados Unidos, ao mesmo tempo em que Bolsonaro criticou, por mais de uma vez, a China, hoje maior parceiro comercial do Brasil.

O professor da Fundação Getúlio Vargas Matias Spektor, doutor em Relações Internacionais, coloca a relação com Estados Unidos e China como os maiores riscos para a política externa deste novo governo. Lembra que os democratas americanos —que venceram a última eleição da Câmara dos Deputados— já reagiram a declarações de Bolsonaro sobre direitos humanos e meio ambiente.

Ao mesmo tempo, Trump, que tem cultivado a relação com o presidente, tem perdido aprovação e força e pode até mesmo passar por um processo de impeachment, segundo analistas norte-americanos. "Ele vem em uma trajetória de enfraquecimento que pode comprometer os interesses brasileiros no médio prazo", afirmou.

Pouco antes da campanha eleitoral se iniciar, Bolsonaro foi a Taiwan, um movimento que desagradou os chineses, que consideram o país uma província rebelde. Depois disso, criticou os investimentos chineses no Brasil.

"Enquanto for retórica, a China não vai retaliar. Mas se o governo começar a discriminar investimentos chineses nas privatizações ou insistir na relação com Taiwan, eles vão não hesitar", disse Spektor. "A diplomacia chinesa é muito realista. Se mexer no bolso ou no brio nacionalista eles irão reagir."

CONTRÁRIO DA DIPLOMACIA
A análise do embaixador ouvido pela Reuters é que algumas ações como as que foram tomadas até agora não trazem ganhos ao Brasil, são desgastantes e o contrário do trabalho diplomático.

"O trabalho da diplomacia é de bastidor, sem alardear nada. O que vi se fazendo até agora é o contrário", diz.

A nova postura, analisa Spektor, já gerou desgastes para o Brasil no exterior. Ele lembra que Bolsonaro teve apenas um editorial favorável no exterior, do Wall Street Journal, publicação voltada aos mercados onde o discurso liberal do ministro da Economia, Paulo Guedes, tem mais tração.

Ainda assim, analisa, não há sinais de um abrandamento do discurso.

"O governo acaba de ganhar a eleição, tem uma enorme força política e em um momento em que a oposição está arrebentada e também não se ajuda. A ida de Gleisi (Hoffmann, presidente do PT) à posse de Nicolás Maduro (presidente da Venezuela) veio em péssima hora. Não há motivo agora para presidente e o partido reduzirem o tamanho das promessas que fizeram ao eleitorado", diz Spektor.

"Ainda mais porque vão ter que motivar sua base para fazer o que é o êxito ou o fracasso do governo, que é a reforma da Previdência. Acho que vamos ver mais do mesmo. É pé no acelerador."

DESGASTE INTERNO
As políticas, a fala e as mudanças que Araújo está fazendo dentro do Itamaraty também trouxeram desgaste interno ao chanceler e dúvidas sobre como a Casa vai funcionar sob sua gestão.

Uma das primeiras providências de Araújo foi a troca dos subsecretários de embaixadores mais sêniores por diplomatas da mesma geração que a sua, promovidos a ministros de primeira classe —o mesmo que embaixador— há menos de um ano. A providência poderia representar apenas uma mudança geracional, como avaliou o embaixador Rubens Barbosa, mas também deixa sem cargos nomes mais antigos e experimentados da Casa.

Dois experimentados embaixadores que haviam retornado recentemente do exterior para assumir subsecretarias ainda não sabem como serão aproveitados.

"É o famoso departamento de escadas e corredores, aquele pelo qual ninguém quer passar. Deixar nomes experientes nessa condição é um desperdício de investimento público", reclama um diplomata.

Araújo reduziu as subsecretarias —cargos imediatamente abaixo do ministro e do secretário-geral— das nove anteriores para sete. Foram extintas a de Meio Ambiente, criada por Antonio Patriota, no primeiro governo da petista Dilma Rousseff, e a de Brasileiros no Exterior. Ambos os temas caíram na hierarquia e passaram a ser departamentos na Secretaria de Cidadania e Soberania Nacional, que passa a englobar Defesa, Cidadania, Nações Unidas, Meio Ambiente e a área consular.

As relações com os países passaram a ser unificadas em apenas três, chamadas de secretarias de negociações bilaterais: Américas, antes dividida em América do Norte e América Latina; Oceania, Ásia e Rússia; e Oriente Médio, Europa e África.

A relação com a imprensa também caiu nas prioridades do novo chanceler. A Assessoria, antes ligada diretamente ao gabinete, ficará sob as asas de uma nova secretaria, de Comunicação e Cultura.

As mudanças, avaliam diplomatas ouvidos pela Reuters, mostram as prioridades do novo governo, que defende centrar as relações no bilateralismo, não no multilateralismo ou em órgãos internacionais.

As reclamações são muitas. Em sua posse no Itamaraty, Araújo viu aplausos magros a seu discurso e um claro constrangimento. Já há casos de pedidos de transferência para postos consulares, em que o diplomata trata dos casos do dia a dia dos brasileiros no exterior, mas não tem a obrigação de defender o governo.

Mas, apesar de uma reação inicial forte à nomeação de Araújo, com uma carta anônima escrita por diplomatas, as reclamações não passaram de conversas de corredores.

"Mesmo que tenha muita infelicidade no Itamaraty, temos que lembrar que o chanceler tem o poder das promoções e remoções. Quem compra briga se isola e compromete a própria carreira", lembra Spektor.

Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.

Clique aqui para entrar em nosso grupo de Telegram

VÍDEO: Sem apoio do mercado financeiro, congresso e nem dos militares, queda de Bolsonaro está próxima. Assista e compartilhe!



Se você quer ajudar na luta contra Bolsonaro e a direita fascista, inscreva-se no canal do Plantão Brasil no YouTube.



O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


11361 visitas - Fonte: Brasil247

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians