logo

9/12/2019 09:29

ESCÂNDALO NA LAVA JATO: Procuradores de Curitiba se recusam a investigar Dario Messer desde os anos 2000

0 0 0 0

4161 visitas - Fonte: Uol

Dario Messer, conhecido com o "doleiro dos doleiros", é investigado desde a década de 1980 por suspeitas envolvendo operações financeiras ilegais. No início dos anos 2000, seu nome apareceu naquele que é considerado um dos maiores escândalos de lavagem de dinheiro do país, o caso Banestado.



A investigação foi conduzida pelo MPF-PR (Ministério Público Federal do Paraná) e por procuradores que hoje fazem parte da Lava Jato. Messer, porém, nunca foi acusado na Justiça por eles.

Ao analisar a história do doleiro em investigações do MPF-PR, vê-se que em diversas situações ele esteve em meio aos casos, mas, mesmo com testemunhos e outras evidências, nunca foi sequer denunciado.



Ainda em 2005, Messer e outros doleiros tiveram suas prisões requeridas na operação Zero Absoluto, considerada uma das mais importantes do caso Banestado. Ao menos 106 pessoas investigadas na mesma operação foram denunciadas. O doleiro, não.

Três ex-investigadores do caso Banestado trabalham hoje na Lava Jato: Deltan Dallagnol (coordenador da força-tarefa), Orlando Martello Junior e Januário Paludo (que a PF acusa de receber propina).

Apesar de Messer nunca ter sido denunciado no caso Banestado, o MPF-PR teve acesso a vários elementos que ligam o doleiro ao esquema de lavagem de dinheiro e evasão apurado.

Um relatório da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) instaurada no Congresso em 2003 para investigar o caso Banestado dedica um capítulo inteiro ao doleiro.



Ouvidos pela Justiça, os doleiros Alberto Youssef e Antonio Oliveira Claramunt, o Toninho Barcelona, ratificaram que Messer era doleiro. Os depoimentos fizeram parte de processos do caso Banestado.

PROCURADORES DE CURITIBA SALVAM DARIO MESSER COM AJUDA DA JUÍZA COPIA E COLA

Esses depoimentos e o relatório da CPMI do Banestado só foram usados contra Messer numa ação penal depois que o MPF-RJ (Ministério Público Federal do Rio de Janeiro) o denunciou em 2009 por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e evasão.

Seu advogado percebeu que duas contas investigadas no Rio eram as mesmas já investigadas no Paraná. Foi ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) e conseguiu em 2013 que parte do processo de Messer fosse transferido dos tribunais fluminenses aos paranaenses.

O procurador da República Alexandre Melz Nardes assumiu o caso. Ele reavaliou as citações de Messer no caso Banestado. Concluiu, porém, que existiam "dúvidas razoáveis" sobre a culpa de doleiro. Por isso, recomendou a absolvição de Messer em agosto de 2015.



Baseada nessa recomendação, a juíza Gabriela Hardt, que hoje julga processos da Lava Jato no Paraná e já condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), absolveu Messer em agosto de 2016.

Ainda na fase inicial da operação Lava Jato, deflagrada em 2014, o MPF-PR chegou a receber relatos sobre as atividades de Messer. Isso não fez o doleiro ser investigado no Paraná.

Ele só foi envolvido na Lava Jato em maio de 2018, quando o MPF-RJ deflagrou a operação Câmbio, Desligo.

Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.



APOIE O PLANTÃO BRASIL - Clique aqui!

VÍDEO: ÁUDIO-BOMBA DE FLÁVIO ENTREGA JAIR BOLSONARO!!



Se você quer ajudar na luta contra Bolsonaro e a direita fascista, inscreva-se no canal do Plantão Brasil no YouTube.



O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


Últimas notícias

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians