logo

23/11/2022 19:14

Faixa presidenciall pode ser passada a Lula por grupo de pessoas do povo

0 0 0 0

14859 visitas - Fonte: O Globo

“Se for necessário, recebo a faixa do povo brasileiro”, disse o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva na véspera do segundo turno, em meio a especulações sobre como seria uma eventual cerimônia de posse que marcaria o retorno do petista ao Palácio do Planalto.

Um mês depois, o presidente Jair Bolsonaro já deu sinais claros de que, além de não aceitar a derrota nas urnas, tampouco deve passar a faixa presidencial para o sucessor no dia 1º de janeiro de 2023.

Por isso, auxiliares da equipe de transição de Lula pretendem discutir com a primeira-dama, Janja, a melhor forma de fazer o ritual da faixa durante a posse.

Depois de discutir algumas alternativas – como convidar uma mulher indígena ou negra, a irmã da vereadora Marielle Franco ou a mulher do indigenista Bruno Pereira, morto na Amazônia – uma proposta vem ganhando apoio da maioria.

A ideia é que a entrega da faixa seja feita não por uma pessoa, mas por um conjunto de pessoas que representem a diversidade do povo brasileiro.

“Um índio, um negro, uma mulher, um trabalhador urbano e outro rural, um estudante” comporiam esse grupo, segundo um aliado de Lula que acompanha as discussões.

Um dos nomes que passou a ser cogitado para marcar presença na posse é o da enfermeira Mônica Calazans, que se tornou símbolo da campanha de vacinação no País contra a Covid-19 – ela foi a primeira pessoa a receber o imunizante contra o coronavírus.

Outros nomes discutidos reservadamente são o de Anielle Franco, irmã da vereadora Marielle Franco, e a antropóloga Beatriz de Almeida Matos, mulher de Bruno Pereira.

Incentivada pelo então governador de São Paulo João Doria, Calazans disputou uma vaga na Câmara dos Deputados pelo PSDB, mas obteve apenas 9.149 votos e não foi eleita.

Mulher e negra, ela personifica duas porções do eleitorado brasileiro que foram decisivas para a vitória de Lula no mês passado.

A coordenação da posse de Lula está sob a responsabilidade de Janja, que já avisou que quer desempenhar um “papel de articulação com a sociedade civil”. Janja ainda vai decidir com Lula os detalhes da posse.

O uso da faixa presidencial foi criado em decreto de 1910 pelo então presidente Hermes da Fonseca, o primeiro chefe do Executivo a entregar a indumentária para um sucessor.

Ao se recusar a entregar a faixa para Lula, Bolsonaro repete o gesto do general João Figueiredo, o último ditador do regime militar, que não repassou a indumentária para José Sarney.

Outro general, o vice-presidente Hamilton Mourão já avisou que, na ausência de Bolsonaro, não vai aceitar a missão de entregar a faixa a Lula.

“Acho que está havendo uma distorção. Porque a passagem de faixa é do presidente que sai para o presidente que entra. Se o presidente, vamos dizer assim, ele não vai querer passar a faixa, não adianta dizer que eu vou passar. Eu não sou o presidente. Eu não posso botar aquela faixa, tirar e entregar”, disse Mourão em entrevista ao “Valor Econômico”.

Plantão Brasil foi criado e idealizado por THIAGO DOS REIS. Apoie-nos (e contacte-nos) via PIX: apoie@plantaobrasil.net

Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.



APOIE O PLANTÃO BRASIL - Clique aqui!

VÍDEO: CPI DO CAPITÓLIO NOS EUA!! EDUARDO B0LSONARO NA MIRA:



Se você quer ajudar na luta contra Bolsonaro e a direita fascista, inscreva-se no canal do Plantão Brasil no YouTube.



O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


Últimas notícias

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians