logo

16/9/2019 08:45

Os negócios sujos do vizinho de Bolsonaro que matou Marielle

0 0 0 0

O sargento da reserva da Polícia Militar Ronnie Lessa, acusado de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, é chefe de milícia na zona oeste carioca, foi dono de um bingo clandestino na Barra da Tijuca e planejava, antes de ser preso, expandir seu negócio de distribuição de água para áreas dominadas por traficantes de drogas do Rio.



As informações constam em relatório da Coordenadoria de Segurança e Inteligência do MP-RJ (Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro), que serviu de base para o pedido aceito pela Justiça do Rio para transferir Lessa para o sistema penitenciário federal.



Lessa foi preso em 12 de março, junto com o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz, que foi acusado de dirigir o carro usado no atentado.

Na casa de um amigo do sargento aposentado, policiais civis efetuaram a maior apreensão de fuzis da história do Rio de Janeiro.

Órgãos do sistema de inteligência policial do Rio apontam Lessa como um dos chefes do grupo paramilitar atuante nas comunidades de Rio das Pedras e da Gardênia Azul, ambas na zona oeste da capital.

"O grupo liderado por Ronnie teria vínculo com contraventores que exploram máquinas caça-níquel, além de outras organizações, a exemplo de milícias e grupos de extermínio", lê-se no relatório do MP-RJ.



Rio das Pedras é uma comunidade dominada pela milícia cujo braço armado é conhecido como Escritório do Crime: um grupo de assassinos de aluguel que tem como clientes principais a máfia do jogo do bicho.

Bingo na Barra da Tijuca

Na noite de 25 de julho do ano passado, quatro meses após a morte de Marielle, policiais militares do 31º Batalhão do Rio receberam uma denúncia de que um restaurante na Barra da Tijuca serviria de fachada para um bingo clandestino.



Ao chegar o local, os PMs encontraram mais de 80 máquinas caça-níquel. Três funcionários e sete clientes foram levados à 16ª DP.

"Segundo fontes humanas, Ronnie era um dos proprietários do estabelecimento ilegal", lê-se no relatório do setor do inteligência do Ministério Público do Rio de Janeiro.

Venda de água

Ronnie Lessa, segundo as investigações, também tem negócios de distribuição de galões de água, um dos ramos prediletos de atuação de milicianos. O sócio dele nesta empreitada seria um outro policial militar da ativa.



"Um dos negócios mantidos seria a venda de água, comércio aparentemente legal que demonstra a forma de atuação de milícia na imposição do negócio frente ao conceito de livre concorrência", afirma o relatório do MP-RJ.

Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.



Clique aqui para entrar em nosso grupo de Telegram

VÍDEO: Trump deu uma banana pra Bolsonaro, descumpriu promessa e VETOU o Brasil na OCDE:



Se você quer ajudar na luta contra Bolsonaro e a direita fascista, inscreva-se no canal do Plantão Brasil no YouTube.



O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


3036 visitas - Fonte: Uol

Últimas notícias

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians